Nelson Teich deixa Ministério da Saúde antes de completar um mês no cargo

Ministro, que assumiu após demissão de Mandetta, pediu exoneração nesta sexta-feira

Foto: Catraca Livre

O ministro da Saúde, Nelson Teich, pediu exoneração nesta sexta-feira (15). O médico estava havia menos de um mês no posto, tendo assumido o lugar de Luiz Henrique Mandetta, demitido pelo presidente Jair Bolsonaro em 16 de abril. É a segunda saída de um ministro da Saúde em meio ao combate à pandemia de coronavírus no Brasil.

Teich vinha passando pelo chamado “processo de fritura” no governo. Uma pista de que a relação com o presidente não estava bem foi o momento de constrangimento, em entrevista coletiva, quando o ministro foi avisado pela imprensa sobre a decisão do presidente em aumentar a lista de serviços essenciais. O chefe do Executivo sequer o consultou sobre a mudança.

Além disso, Teich não vinha atendendo as expectativas de Bolsonaro em conseguir acordo com Estados e municípios para o plano de flexibilização do distanciamento social – o presidente segue defendendo a política chamada de isolamento vertical, em que apenas pessoas consideradas do grupo de risco deveriam ficar em confinamento. Teich não apoiava publicamente o desejo do presidente.

Amigo de Teich, o oncologista Stephen Stephani, disse na Rádio Gaúcha que a entrada do colega no ministério representava uma mensagem clara de que a gestão seguiria a ciência, o que, na sua avaliação, é o correto neste momento.

— A entrada dele trazia a mensagem clara pela construção científica, identificar os gargalos, oferecer o que está ao alcance da medicina, não se submeter aos humores da política — afirmou.

Para Stephani, a leitura era simples: Teich estava alinhado com a necessidade de compartilhar informação, sem perfil para brilhar em entrevistas. Um dos pontos de divergência com Bolsonaro foi em torno da hidroxicloroquina — o presidente cobra a recomendação para o uso do medicamento inclusive em casos leves de covid-19.

— Opinião cada um pode dar a sua, mas dizer que isso é um dado científico é uma transgressão técnica. E o doutor Nelson Teich não iria embarcar nessa.

Teich é bastante cauteloso em suas manifestações públicas sobre o tema. Na terça-feira (12), em postagem no Twitter, ressaltou a questão dos efeitos colaterais do medicamento:

Fonte: Gaucha ZH

Comentários

Deixe uma resposta