Flávio Bolsonaro destinou R$ 442 mil de auxílio a Queiroz e milicianos

MP-RJ suspeita que ex-assessores eram funcionários fantasmas do filho do presidente Jair Bolsonaro

Foto: Pragmatismo Político

Durante seu mandato de deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), o hoje senador Flávio Bolsonaro (Republicanos) destinou ao menos R$ 442,8 mil ao ex-assessor Fabrício Queiroz e ao miliciano Adriano da Nóbrega. Segundo o jornal O Globo, a verba, originária do auxílio-alimentação, chegava às mãos dos comparsas tanto diretamente quanto indiretamente – por meio de familiares dos. O Ministério Público do Rio (MP-RJ) suspeita que parte desses ex-assessores eram funcionários fantasmas do filho do presidente Jair Bolsonaro.

Queiroz é o principal alvo da investigação sobre a prática de “rachadinha” no gabinete de Flávio Bolsonaro. O esquema do auxílio-alimentação beneficiava, ainda, sua mulher, Márcia Aguiar, suas filhas Nathália e Evelyn, e a enteada, Evelyn Mayara. O auxílio não aparece no setor de transparência da Assembleia porque é depositado na conta do servidor mensalmente, sem registro ou desconto nos contracheques. A família de Queiroz recebeu ao menos R$ 338.172,80.

Havia sempre um membro do clã no gabinete de Flávio Bolsonaro, conforme detalha reportagem do Globo: “Quando um parente dele era exonerado, outro entrava no lugar. Nathália deixou de ser funcionária da Alerj em 13 de dezembro de 2016. Nessa mesma data, foi nomeada para o gabinete de Flávio a irmã dela, Evelyn. Quando a mulher de Queiroz foi exonerada, em setembro de 2017, a filha dela e enteada do ex-assessor, Evelyn Mayara, foi nomeada. Assim, salários da Alerj e também auxílio-alimentação ficavam na família”.

Queiroz e Márcia também receberam auxílio-educação, ocultando o endereço em comum e a condição de união estável para obter o benefício. Dados obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação e do Portal da Transparência mostram que o casal recebeu mais de R$ 376 mil entre 2007 e 2018 graças a essa omissão. Sem a fraude de documentação, eles teriam direito a cerca de metade disso.

Já o miliciano Adriano da Nóbrega, ex-capitão do Bope, envolveu a ex-mulher, Danielle Mendonça, e a mãe, Raimunda Veras, em esquema organizado por Queiroz. Elas trabalharam no gabinete de Flávio na Alerj e receberam, no mínimo, R$ 104,7 mil em auxílio-alimentação. A ex-mulher do miliciano Adriano ficou 11 anos empregada.

Para o MP do Rio, Danielle e Raimunda eram funcionárias fantasmas. Adriano foi morto num confronto com policiais em fevereiro deste ano, na Bahia, onde estava foragido. Ele e Queiroz trabalharam juntos no Batalhão de Jacarepaguá.

 

Fonte: Vermelho.org

 

Comentários

Deixe uma resposta