Caso Marielle: investigação cita visita de suspeito a Bolsonaro

A edição de hoje do Jornal Nacional divulgou uma menção nominal ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) no caso dos assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSOL), do Rio de Janeiro, e do motorista dela, Anderson Gomes, ocorridos em 14 de março de 2018.

Foto: Abril

De acordo com o telejornal, a simples citação ao nome do presidente pode levar o caso a ser investigado pelo STF (Supremo Tribunal Federal), devido ao foro por prerrogativa de função.

O porteiro do condomínio onde morava Bolsonaro à época disse em depoimento que alguém com a voz dele autorizou a entrada de um dos suspeitos da morte da vereadora no dia do crime. Bolsonaro, no entanto, neste dia estava na Câmara dos Deputados, segundo registro de presença da Casa consultado pela reportagem da Globo.

De acordo com o telejornal, o caderno da única portaria do Vivendas da Barra foi analisado pela polícia e apontou um visitante ao local na noite do crime. No mesmo condomínio vivia o policial militar reformado Ronnie Lessa, apontado pelo Ministério Público e pela Polícia Civil como o autor dos disparos que mataram Marielle e Anderson. O suspeito teria anunciado ao porteiro que visitaria Bolsonaro, mas se direcionou para a casa de Lessa, segundo a reportagem.

Horas antes do crime, às 17h10 de 14 de março de 2018, Élcio Vieira de Queiroz – outro suspeito do crime preso pelos assassinatos – chegou à portaria do condomínio e disse que ia a uma das casas que pertencem a Bolsonaro. O nome de Élcio ficou registrado no caderno, assim como o veículo no qual ele estava (um Renault Logan, placa AGH-8202). O porteiro então informa, ainda de acordo com a reportagem, ter contatado a casa; segundo dois depoimentos, “seu Jair” liberou a entrada.

As câmeras do condomínio acompanharam o trajeto do carro de Élcio, mas seu carro foi a outro endereço, onde morava Ronnie Lessa. O porteiro afirma então que ligou para a casa do presidente da República, que teria, segundo o depoimento ao qual a reportagem afirma ter dito acesso, dito saber para onde o veículo liberado estava indo. Élcio e Ronnie saíram juntos do local mais tarde.

Ao UOL duas fontes ligadas às investigações confirmaram ontem que o registro feito por Élcio Queiroz ao ingressar no condomínio, naquele dia marcava a casa pertencente ao presidente Jair Bolsonaro, que fica no nº 58 do condomínio Vivendas da Barra (fac-símile que está no início deste texto), atribuindo o registro a um “erro” por parte de Élcio Queiroz.

Questionada pela reportagem sobre qual fase do inquérito contém os depoimentos do porteiro do condomínio, a Polícia Civil do Rio não respondeu, dizendo apenas que as investigações estão sob sigilo e que estão em sua segunda fase.

A polícia considera a primeira fase do inquérito a que apurou os executores dos assassinatos —apontados pela investigação estadual como o PM reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio Queiroz. Lessa teria atirado contra o carro de Marielle e Anderson, enquanto Queiroz teria dirigido o carro usado na emboscada, um Cobalt prata.

Bolsonaro em Brasília

Conforme registro oficial da Câmara dos Deputados citado pelo Jornal Nacional, o então deputado federal Jair Bolsonaro estava em Brasília naquela data. Registros de redes sociais reforçam o argumento.

Ao telejornal o advogado de Bolsonaro, Frederick Wassef, contestou o depoimento do porteiro.

“Eu nego isso, é uma mentira, um erro de digitação, alguma coisa”, disse Wassef. “Eu afirmo com absoluta certeza e desafio qualquer um a provar o contrário. É uma mentira, uma fraude, uma farsa, para atacar o presidente da República”, acrescentou.

Ainda segundo a Globo, antes da divulgação das informações, no dia 17 de outubro, representantes do MP foram a Brasília para consultar o presidente do STF, Dias Toffoli, sem avisar juiz do caso, para perguntar se deveriam continuar com as investigações. Toffoli ainda não respondeu, segundo o telejornal.

Fonte: UOL

Comentários

Deixe uma resposta

Fechar Menu