Aluguéis ficam 20% mais caros; preço da gasolina deve bater recorde

Brasil volta a ser atemorizado pelo fantasma da inflação

Fonte: vermelho.org

 

Sob o governo ultraliberal de Jair Bolsonaro e a pandemia de Covid-19, o Brasil volta a ser atemorizado pelo fantasma da inflação. Não bastasse a alta no preço dos alimentos, itens como aluguéis e combustível também encarecem na crise e diminuem o poder de compra dos brasileiros.

O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), usado no reajuste de contratos de aluguel no país, registrou inflação de 2,92% na segunda prévia de outubro. Segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV), que fez a pesquisa, a taxa já havia subido 4,57% da segunda prévia de setembro. Com isso, o índice acumulado em 12 meses subiu de 18,20% na segunda prévia de setembro para 20,56% na segunda prévia de outubro.

A queda da taxa de setembro para outubro foi provocada pelos preços no atacado, medidos pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo. Nesse caso, a taxa de inflação foi de 6,36% na prévia de setembro e de 3,75% na prévia de outubro.

No caso dos combustíveis, os preços da gasolina e do etanol até caíram nos primeiros meses da quarentena. Mas a inflação desses produtos no últimos meses disparou. Conforme a análise do Índice de Preços Ticket Log (IPTL), o preço da gasolina variou quase 18% no ano e se aproxima de R$ 4,71. É um valor igual ao de janeiro, mês em que a média foi a mais cara no ano.

Na média nacional, o valor mais baixo vendido pelo litro da gasolina foi registrado em maio, por R$ 4,005. O etanol era vendido por R$ 3,20. Cinco meses depois, o preço do combustível fóssil atingiu R$ 4,56, enquanto o etanol saiu por R$ 3,49. Para o diesel, que já foi vendido em média por R$ 3,23, o preço na primeira quinzena de outubro foi de R$ 3,65.

Mesmo com preços bem mais altos do que nos meses de abril e maio, a Petrobras aprovou, no dia 9 deste mês, um reajuste médio de 4% no preço da gasolina e 5% no diesel em suas refinarias. Na prática, esse preço equivale a R$ 0,07 para gasolina e R$ 0,08 para o diesel por litro. O novo valor está em vigor desde o dia 10.

Fonte: vermelho.org

 

Comentários

Deixe uma resposta