PM assasina coordenador do MTST em Uberlândia

Corporação alega que homem estava armado e resistiu a uma abordagem. Movimento nega versão e acusa policiais de homicídio

Foto: Reprodução da internet

O coordenador de assentamento do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) foi morto por policiais militares na madrugada desta quinta-feira (05/03) em Uberlândia (MG). Os militares envolvidos alegam que Daniquel Oliveira dos Santos estava armado e reagiu a uma abordagem, mas os militantes do movimento negam essa versão. A morte desencadeou protestos do MTST na cidade mineira.

Daniquel era coordenador e responsável pela infraestrutura da ocupação Fidel Castro, organizada pelo MTST em Uberlândia há três anos. Segundo a PM de Minas Gerais, os militares avistaram três homens perto de um poste de luz em um matagal nos fundos da ocupação, por volta das 2h da manhã.

A ocorrência registra que eles desobedeceram ao ser abordados e que uma arma foi vista na mão de um deles. Um homem foi preso no matagal e Santos foi encontrado ferido na cabeça. Os policiais o levaram a uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), mas o militante social não resistiu ao ferimento.

Veja a Nota do MTST

O MTST está de luto. PM EXECUTA MILITANTE DO MTST EM UBERLÂNDIA/MG

Na madrugada do dia 5/3 a PM de Minas Gerais executou covardemente, com um tiro na nuca, o companheiro Daniquel Oliveira dos Santos.

Daniquel era coordenador da ocupação Fidel Castro, organizada pelo MTST em Uberlândia há 3 anos. Responsável pela infraestrutura da ocupação, Daniquel foi alvejado depois de subir em um poste de uma das casas.

Estão querendo criminalizar nosso movimento apontando que havia arma com Daniquel. O que é uma mentira. Até quando a polícia continuará nos perseguindo, perseguindo nossos militantes, até quando tamanha covardia com nossa luta?

Revoltados com tamanha covardia, os moradores da ocupação Fidel Castro bloquearam nessa manhã a BR 050 em protesto. Por sua vez, a sanguinária PM/MG reprimiu a manifestação com bombas e balas de borracha, ferindo 3 pessoas.

É inadmissível que um trabalhador que luta pelo direito básico à moradia seja assassinado de maneira tão cruel e fria por um agente de segurança pública. O MTST expressa seu mais profundo repúdio à PM de MG e à política de criminalização da pobreza levada a cabo pelo governador Romeu Zema.

Não é com tiro que irão interromper a luta do povo brasileiro.
Daniquel era e será exemplo para os lutadores sem-teto por sua dedicação à luta e a coletividade. Milhares de lutadores como ele seguirão em frente, para que essa injustiça jamais seja esquecida.

Daniquel, presente!

Fonte: com informações do Metrópoles

 

Comentários

Deixe uma resposta