Ódio, fome, preconceito e a agenda anticristã de Jair Bolsonaro

por Franklin Félix*

Foto: Reprodução da internet

A fome nunca foi extinta totalmente do Brasil. A fome é um projeto político. Tempos duros para quem tem sede e fome de justiça

“Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me; Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e foste me ver.” Mateus 25:35,36

Vamos lá, queridos/as leitores/as, para mais uma reflexão à luz dos ensinamentos espíritas, já que o mundo não acabou e que a profecia sobre a “data limite mostrou ser mais uma fake news de quem não estuda profundamente o espiritismo e que, diferente de Kardec, vive uma fé irracional.

Não há um só momento, nesses mais de duzentos dias de governo neoliberal, que as declarações do presidente não gerem tristeza, indignação e profunda reflexão sobre os caminhos que o cristianismo brasileiro (e incluo aí o espiritismo kardecista) tem tomado – por omissão, por concordância e pelo afastamento dos ensinamentos do Cristo, baseados nos princípios de amor, de justiça justa e de compaixão.

Em uma mesma semana, o presidente da república chamou os/as governadores/as do nordeste de “paraíba”, provocando a reação de políticos da região, que manifestaram “espanto e profunda indignação” e afirmou, em café da manhã com jornalistas estrangeiros, que “falar que se passa fome no Brasil é uma grande mentira”.

Cresci em um bairro pobre da periferia de São Paulo e minha infância foi marcada por pessoas que batiam em nossas portas pedindo “uma xícara de arroz ou um punhado de feijão”. Geralmente essas pessoas eram crianças, negras ou retirantes nordestinas (assim como minha mãe, paraibana, foi um dia), então ela se via no dever moral de ajudar, mesmo com pouco, essas pessoas e dizia (ou mandava a gente dizer) “um pouco com Deus é muito”.

Muito cedo também comecei a frequentar uma casa espírita da região, frequentada pela classe média (baixa) do bairro. Lá, enquanto minha mãe juntamente com outras mulheres preparavam a sopa para as pessoas com características muito parecidas com as que descrevi acima, eu recebia aula de moral cristã. Era uma vida simples e feliz. Sinto saudade do movimento espírita daquela época.

Depois da aula, saíamos com outras crianças – geralmente filhos e filhas dos trabalhadores do centro – e alguns adultos para recolhermos alimentos que eram distribuídos em cestas básicas para algumas famílias empobrecidas. Na década de 1990, não havia programas de transferência de renda e nem programas contra a fome e a desnutrição. Além dos espíritas, a pastoral da criança da igreja católica, com sua multimistura, e a campanha do Betinho (Natal sem fome) eram importantes aliadas no combate à fome e à miséria.

Passados quase trinta anos, minha mãe continua servindo sopa na casa dela. E tem dito que nos últimos tempos a quantidade de pessoas que vão comer (e levar em uma panela para casa) tem aumentado significativamente.

A fome nunca foi extinta totalmente do Brasil. A fome é um projeto político.

Tanto a ONU, como o IBGE e o Ipea, por meio de estatísticas recentes, rebatem a declaração do presidente, que também foi criticada por especialistas em economia e evolução de índices sociais no país.

O último Relatório do Panorama da Segurança Alimentar e Nutricional na América Latina e Caribe 2018, divulgado em novembro pela ONU, mostrou o crescimento da fome no Brasil. O estudo estimou que a desnutrição alcançou até 5,2 milhões de brasileiros entre 2015 e 2017.

Segundo o IBGE, 54,8 milhões de brasileiros estavam abaixo da linha da pobreza em 2017. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostrou que a proporção de miseráveis no país (rendimento médio domiciliar per capita de até um quarto do salário mínimo) subiu de 6,6% para 7,4% no mesmo ano.

A sociedade justa, feliz e igualitária, uma casa comum onde todos possam viver bem, com acesso aos seus direitos, livres de preconceitos e discriminações, base para o mundo de regeneração, só será possível quando todos contribuirmos para assegurar a dignidade de todos, combatendo as diversas formas de exclusão social e se esforçando para que o Brasil volte a investir em programas de transferência de renda, na reforma agrária e em programas de economia solidária (com iniciativas de fomento no campo e na cidade).

Definitivamente, parafraseando São Mateus (6:24): ninguém pode servir a dois senhores, pois, ou odiará a um e amará o outro, ou será fiel a um e desprezará o outro. Vós não podeis servir a Deus e ao bolsonarismo.

Tempos duros para os/as que têm sede e fome de justiça, mas (r)existimos!

Fonte: Carta Capital

FRANKLIN FÉLIX é psicólogo, educador, militante pelos direitos humanos e um dos idealizadores do movimento de espíritas pelos direitos humanos.
Comentários

Deixe uma resposta