Grupo “integralista” se diz responsável por ataques a Porta dos Fundos

Homens mascarados exibem bandeira de movimento com inspiração fascista e acusam humoristas de cometerem ‘blasfêmia’

Fonte: Reprodução da internet

Um grupo de três homens reivindicou, em vídeo publicado na quarta-feira 25, a autoria dos ataques ao prédio da produtora do canal de humor Porta dos Fundos, no bairro do Humaitá, na zona sul da cidade do Rio de Janeiro. O atentado ocorreu na madrugada de terça-feira 24, véspera de Natal, com coquetéis molotov.

As imagens circulam pelo YouTube e pelas redes sociais. Os homens aparecem mascarados e se denominam como “Comando de Insurgência Popular Nacionalista da Família Integralista Brasileira”. Eles exibem uma bandeira com o símbolo do integralismo, movimento de inspiração fascista que se tornou conhecido após a fundação do partido Ação Integralista Brasileira (AIB), fundado em 1932.

Enquanto um dos membros lê uma carta, o vídeo exibe imagens em que pelo menos três homens aparecem em frente ao prédio durante os ataques. O texto classifica os ataques como “ação direta revolucionária”, que teve como objetivo “justiçar os anseios de todo o povo brasileiro contra a atitude blasfema, burguesa e antipatriótica” do canal Porta dos Fundos, chamado de “grupo de militantes marxistas culturais”.

Grupo mascarado neo fascista assume a autoria do atentado Foto: Reprodução da internet

O homem mascarado diz ainda que o especial de Natal “A Primeira Tentação de Cristo”, estrelado pelo ator Gregório Duvivier, ocorreu “a mando da Mega Corporação Bilionária Netflix” e que resultou num “ataque direto contra a fé do povo brasileiro, se escondendo atrás do véu da liberdade de expressão”.

“Na verdade, são apenas burgueses materialistas fantasiados de vermelho, tudo isso na intenção de destruir o nosso povo, nossas crenças, nosso patrimônio imaterial com o intuito de nos enfraquecer, nos dividir, nos jogando uns contra os outros e assim poder espoliar nossas riquezas”, diz o homem. “Temos o prazer de declarar que as inquietações advindas do espírito popular hoje foram parcialmente satisfeitas.”

No texto, o grupo diz ainda que não se curvará “ante as blasfêmias contra o nome do Senhor”, exalta Jesus Cristo como “única solução para os problemas do Brasil” e acusa o canal Porta dos Fundos de cometer um “crime de lesa pátria”.

“A justiça burguesa, covarde e corrupta, vendida para o grande capital, luta contra o povo, mas quando a Revolução Integralista vier, todos estarão condenados ao justiçamento revolucionário. Nós integralistas não renegamos o nosso papel histórico e nos incumbiremos de ser a espada de Deus”, diz o grupo.

Em nota, o movimento “Frente Integralista Brasileira” (FIB) afirmou que desconhece o grupo que reivindicou a autoria dos ataques. A organização diz que não tem qualquer relação com os homens e que proíbe, em estatuto, o uso de máscaras para fins de militância.

“Não temos certeza sobre a autenticidade do vídeo, e por isso não descartamos a possibilidade de ter sido um material forjado com o fim de incriminar os Integralistas”, diz a nota. “O uso de tais máscaras para tais fins é, com efeito, uma atitude anti-integralista.”

A Polícia Civil investiga os responsáveis pelo atentado, registrado como crime de explosão na 10ª Delegacia de Polícia de Botafogo. O grupo que reivindica a autoria dos ataques também se disse realizador de uma ação na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio), no fim de 2018, quando bandeiras antifascistas foram roubadas e queimadas.

Filmagens da ação do grupo Foto: Reprodução da internet

Na terça-feira 24, o Porta dos Fundos publicou uma nota em que afirma que, durante os ataques ao prédio, um dos seguranças conseguiu controlar o princípio de incêndio e não houve feridos. O canal disse que já disponibilizou as câmeras de segurança para as autoridades.

“Adiantamos que seguiremos em frente, mais unidos, mais fortes, mais inspirados e confiantes que o país sobreviverá a essa tormenta de ódio e o amor prevalecerá junto com a liberdade de expressão”, diz nota, publicada no Twitter.

O especial de Natal de aproximadamente 40 minutos retrata Jesus Cristo como homossexual e sugere que teria uma relação com Lúcifer. O curta-metragem também mostra um triângulo amoroso entre Deus, Maria e José.

O filme gerou reações de parlamentares. Na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), o deputado Altair Moraes (Republicanos) reuniu cerca de 50 assinaturas para a instauração de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar “crimes de vilipêndio religioso” pelo Porta dos Fundos.

No Congresso Nacional, deputados também querem que a Netflix se explique na Câmara. No Twitter, o deputado federal Sargento Fahur (PSD-PR) comemorou o atentado ao prédio da produtora.

Fonte: Carta Capital

Comentários

Deixe uma resposta

Fechar Menu