Em meio ao caos dos combustíveis, governo realiza leilão do pré-sal

Em 4ª rodada do leilão do pré-sal realizada nesta quinta-feira, por 3,25 bilhões de reais, União vende nossas reservas ao capital estrangeiro

Foto: Divulgação

 

Num momento caótico, por conta das polêmicas envolvendo a alta no preço dos combustíveis e a greve dos caminhoneiros, o setor de petróleo e o governo realizou a 4ª rodada do leilão do pré-sal, que arrematou as bacias por 3,25 bilhões de reais, 16 empresas  disputaram o nosso petroleo nos quatro blocos exploratórios nas bacias de Santos e Campos.

O governo brasileiro arrecadou nesta quinta-feira (7), R$ 3,15 bilhões (cerca de 800 milhões de dólares) no leilão de três dos quatro blocos de petróleo do pré-sal, no qual participaram as maiores companhias internacionais.

O governo esperava arrecadar pelo menos R$ 3,2 bilhões com o leilão, segundo estimativa do CNPE (Conselho Nacional de Política Energética) divulgada há dois dias pelo Ministério de Minas e Energia.

O bloco de Uiapuru, o mais importante, localizado na bacia de Santos, foi comprado por 2,65 bilhões de reais por um consórcio formado pelo grupo americano Exxon Mobil (28%), o norueguês Statoil (28%) e o português Petrogal (14%). A Petrobras, que exerceu seu direito de preferência, terá em mãos os 30% restantes.

O bloco de Itaizembinho, que ficou sem comprador, era o menos importante dos quatro colocados em leilão.

Nas 2ª e 3ª rodadas, a Petrobras levou três blocos, em consórcio com parceiras estrangeiras, ao oferecer até 80% da produção ao governo, quando o mínimo exigido era de 10,34%. O leilão, em outubro do ano passado, garantiu arrecadação de R$ 6,15 bilhões em bônus, vendendo seis dos oito blocos – o equivalente a 75% de toda a área ofertada.

Os leilões de petróleo no Brasil são decididos por porcentagens de produção que as empresas oferecem ao Estado brasileiro.

A oferta do consórcio que comprou o bloco Uiapuru foi de 75,49% de sua produção, quase o triplo do mínimo exigido pelo governo.

Fonte: com informações Exame/Destak jornal

 

Comentários

Deixe uma resposta