Zema avança com política assassina de privatizações em MG através de rodovias

Romeu Zema (NOVO) anuncia privatização de 2,5 mil km de estradas, a despeito das tragédias que a população de Minas vem sofrendo, fruto das privatizações como no caso da Vale em Brumadinho e agora Barão de Cocais, vai avançando em sua promessa de campanha aos empresários: vender todo o estado de MG.

Foto: Alan Santos

Como prometido em sua campanha eleitoral, quando se tornou súdito fiel de Bolsonaro e sua agenda de ataques surfando em sua onda reacionária, Zema avança nas promessas de lucros aos empresários anunciando a venda de 2,5 mil km de rodovias, através do falso discurso de que atrairá investimentos e empregos.

“A infraestrutura é essencial para o desenvolvimento econômico do estado”, afirma Zema, para justificar o pacote de concessões que vai durar de 25 a 30 anos. Ao mesmo tempo em que temos visto que ao invés de melhorias e empregos para Minas Gerais, como prometido em 1997 por FHC ao privatizar a Vale, o saldo desta privatização, como um exemplo, é de milhares de demissões nos anos 90, terceirização, exploração do trabalho com milhares de postos precários e em 2019 um rastro criminoso de centenas de mortos e desaparecidos, e centenas de quilômetros de destruição ambiental.

Por outro lado, a Vale vendida pela bagatela de R$ 3,3 bilhões já entregou desde sua venda R$ 320 bilhões aos banqueiros, as rodovias serão vendidas por R$ 7 bilhões. Para eles, lucros bilionários, para nós desemprego, morte e destruição. Mais uma vez fica claro: são eles ou nós. O discurso de que atrairá recursos, infraestrutura e empregos cai por terra com o exemplo da Vale, que se não tivesse sido privatizada e estivesse a serviço de nossos interesses poderia ter revertido toda essa fortuna em melhoria real da infraestrutura do Estado de Minas Gerais e da qualidade de vida de toda a população com empregos e salários dignos.

Novas privatizações trará novas catástrofes, como estamos vendo nesse momento se abater sobre o povo trabalhador de Barão de Cocais que tem vivido dias de terror esperando que mais lama tóxica da Vale invada suas casas e suas vidas, e mesmo antes disso acontecer tem morrido de infartos e cometido suicídios dado o descaso com tudo que construíram.

Zema, assim como Bolsonaro, não se importa com a população de Minas Gerais, estão preocupados em aprovar a Reforma da Previdência e as privatizações para garantir esses gigantescos lucros aos empresários. Por isso é preciso que todos os trabalhadores de Minas e do Brasil inteiro tomem a greve geral de 14 de Junho em suas mãos, se unindo a juventude, e exigindo que as centrais sindicais rompam a sua negociação com Bolsonaro, o STF e Rodrigo Maia e organize a mais ampla unidade dos trabalhadores em luta para barrar o conjunto dos ataques.

Fonte: Esquerda Diário

Comentários

Deixe uma resposta

Fechar Menu