Veja armas de campanha dos candidatos ao governo de MG

Líderes nas pesquisas, Anastasia (PSDB) trabalha para encerrar campanha em primeiro turno, já Pimentel (PT) que tirar votos do adversário. Romeu Zema (Novo) ainda aposta no eleitor indeciso para avançar

A última semana de campanha em busca do voto dos 15,7 milhões de eleitores mineiros será de desafios diferentes para os dois candidatos que polarizam a briga pelo Palácio da Liberdade. À frente nas pesquisas, o senador Antonio Anastasia (PSDB) joga as últimas cartadas para tentar encerrar a fatura e ganhar a eleição no primeiro turno. Do outro lado, o governador Fernando Pimentel (PT) trabalha para tirar votos do adversário e empurrar o pleito para uma decisão em 28 de outubro. Com objetivos opostos, ambos vão intensificar a presença nos municípios e investir pesado no recado passado nas redes sociais.

Nos últimos dias, Pimentel e Anastasia pediram à militância que reforce a busca por votos. Prefeitos e deputados estaduais e federais, que têm forte apelo regional, estão na linha de frente da empreitada. Ambas as campanhas acreditam em um crescimento de Pimentel na reta final, na esteira da campanha presidencial do petista Fernando Haddad, mas a expectativa dos tucanos em Minas é de conter isso com a atração dos votos anti-PT.

A avaliação da campanha de Anastasia é de que a eleição está a três ou quatro pontos percentuais de ser decidida em apenas um turno e tudo depende do desempenho do candidato do Novo, o empresário Romeu Zema, nas urnas. Articuladores da campanha do tucano avaliam que ele pode se favorecer com o clima de “voto útil”, que poderia reverter a opção pelo candidato do Novo a favor do PSDB.

“Aquele eleitor cativo, militante do Novo, não muda, mas boa parte do eleitorado do Zema é o anti-PT. Praticamente metade dos votos do Zema não estão consolidados e poderiam vir para nós”, avalia uma fonte. O objetivo na reta final é conquistar o voto anti-petista, atrair o eleitorado do Zema e os indecisos.

Para isso, a propaganda vai manter a linha de apresentar Anastasia como o gestor que já tirou o estado da crise e reforçar o recado de que “Anastasia é Anastasia”, insistindo na desvinculação com o também ex-governador e senador Aécio Neves, candidato a deputado federal pelo PSDB. A campanha pretende ainda reforçar a importância de que a eleição termine no dia 7, para evitar o clima de acirramento de um eventual segundo turno.

Na campanha do PT, a avaliação pelas pesquisas diárias é que vai haver segundo turno, mas, como ainda há um grande número de indecisos, o trabalho permanece firme para tentar garantir uma margem de segurança. A aposta é na vinculação com Fernando Haddad. Um grande desafio, segundo articuladores, é que a televisão, antes fundamental para garantir os votos, não tem atraído tanto os eleitores. Levantamentos internos mostram que 47% dos eleitores viram algo de programa de TV. No mesmo período, em 2014, esse percentual era de 80%.

Para Pimentel, a televisão seria um trunfo importante para tentar rebater as críticas em relação à crise e os problemas financeiros do estado. Como ela não tem dado tanto resultado, a estratégia do petista é insistir nos esforços nas redes sociais e em mobilizações locais com populações circunscritas, como escolas, fábricas, comércios, ou grandes vias.

Para os últimos dias, Pimentel fez inserções específicas para o Norte de Minas, abordando questões relativas à região, como o fim do racionamento da água em Montes Claros, problemas de infraestrutura e agricultura familiar. “Estamos ocupando os espaços, concentrando o esforço na grande BH, que tem um número expressivo de eleitores, e nas regiões que temos mais potencial de conseguir votos, como o Norte”, explica um dos coordenadores.

NO PÁREO

Terceiro colocado nas pesquisas, o empresário Romeu Zema, do Partido Novo, pode definir se a eleição vai ou não para o segundo turno, mas sem grandes chances de disputá-lo. A equipe de campanha, porém, acredita que ele ainda está no páreo. A avaliação das pesquisas qualitativas é que os mineiros rejeitam o ex e o atual governador e, na reta final, é quando o eleitor toma uma decisão mais firme.

Segundo o consultor de marketing político Leandro Groppo, que cuida da campanha, Zema tem o desafio de ser pouco conhecido, mas a taxa de conversão dos que recebem sua mensagem é grande. “A gente ainda tem uma chance muito grande. Basta ver o número de indecisos e votos brancos e nulo, porque rejeitam os dois candidatos que polarizam a disputa”, disse. Na última semana, Zema vai concentrar a campanha no Triângulo e Alto Paranaíba. O discurso será no sentido de combater o voto útil. “Vamos mostrar que o voto útil tem que ser a favor de Minas e não contra A ou B. Senão o resultado vai ser ficar reclamando mais quatro anos”, disse.

A avaliação interna da campanha do presidente da Assembleia, Adalclever Lopes (MDB), é que ela não alavancou porque começou tarde demais. Nos últimos dias a aposta será nos debates e viagens pelo Norte de Minas. A equipe também já está enviando as colinhas com os números de urna para os candidatos nas chapas proporcionais ajudarem a divulgar.

O candidato da Rede, João Batista dos Mares Guia, percorreu 172 municípios no interior desde a pré-campanha e na reta final vai priorizar a região metropolitana, com caminhadas em cidades como Nova Lima, Sabará, Betim e regiões de periferia. Segundo a equipe, a linha de discurso continua sendo a de “nem um e nem outro”, pregando um nome fora do campo PT e PSDB.

Fonte: Estado de Minas

Comentários

Deixe uma resposta