Trabalhadores exigem saída do presidente da Eletrobras

Nesta sexta-feira (15), eletricitários de todo o país promovem um twitaço nas redes sociais pedindo a renúncia imediata de Wilson Pinto do comando da Eletrobras

Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Sindicatos dos trabalhadores da Eletrobras pedem a saída do atual presidente da estatal, Wilson Pinto Ferreira Júnior. Ex-presidente da Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL), hoje controlada pela Chinesa State Grid, ele assumiu a direção da maior empresa pública de energia em julho de 2016 com a promessa de privatização.

Wilson Pinto é responsável pelo Plano Diretor de Negócios e Gestão (PDNG) que aponta a intenção de entrega do controle da Eletrobras ao capital estrangeiro internacional. No planejamento de governança elaborado pelo gestor está prevista a demissão de 12 mil trabalhadores, o aumento da tarifa de energia e a perda de controle acionário da União.

Segundo a proposta aprovada pela Eletrobras o PDGN define uma queda de quase 45% nos investimentos totais. Dos 35,8 bilhões de reais para 2017-2021 restaram apenas 19,75 bilhões de reais que serão aplicados até 2022.

Primeiro presidente da história da estatal a receber advertência da Comissão de Ética da Presidência da República, Wilson Pinto descumpriu o estatuto da Eletrobras ocupando mais de 5 cargos em conselhos de administração. Segundo o Sindicato dos Urbanitários do Distrito Federal (Stiu-DF), ele tentou aumentar o próprio salário em 46% e acenou com reajuste de apenas 1,69% para a categoria. Além disso, chamou os trabalhadores de vagabundos.

As manifestações de desrespeito aos sindicalistas e evidente conflito de interesses na gestão do setor elétrico não cessam. Através da atuação em diversos conselhos de administração de empresas do setor, Wilson teria contratado serviços que não são de competência da Eletrobras, burlando a Lei de Licitações.

Com início às 10h, o movimento que exige a queda de Wilson Pinto utilizará as seguintes hashtags: #ForaWilsonPinto e #EletrobrasPública.

Fonte: Vermelho.org

Comentários

Deixe uma resposta

Fechar Menu