General Villas Boas ameaça STF novamente para manter prisão arbitrária de Lula

Novas ameaças reacionárias do general golpista. Para ele se STF mudar procedimentos e contribuir a liberdade de Lula haveria “convulsão social”. Quer garantir que o STF vote como sua vontade golpista.

Foto: Reprodução da internet

O general Villas Boas ex-comandante do Estado Maior brasileiro no governo do golpista Michel Temer voltou a usar o twitter para deixar clara suas posições golpistas, ameaçando o STF de criar “convulsão social” se mudar procedimentos da Lava Jato. Essa não é a primeira vez que o o atual assessor do Gabinete da Segurança Institucional usa publicamente sua influência nas armas para chantagear e ameaçar outras instituições do Estado.

O interesse do general é claro: manter Lula preso arbitrariamente. Hoje o STF reinicia julgamento sobre validade de prisão após segunda instância. Caso o tribunal decida que só são válidas prisões após “transitado em julgado”, ou seja após todo tipo de recurso, Lula e outros condenados por Sérgio Moro seriam libertados.

Depois de longa estadia na UTI o general voltou a público ontem. Primeiro em vídeo enigmático falando de revelação de segredos divulgado pela deputada bolsonarista Bia Kicis (PSL-DF) e depois com postagem falando do “combate à corrupção” e que mudanças gerariam “eventual convulsão social”.

Foto: UOL

Essa não é a primeira vez que o general vem a público gritar suas ameaças de convulsão. Fez isso de forma ainda mais contundente no ano passado, quando chefiava as 3 armas e o STF julgava o habeas corpus de Lula.

O tweet de ontem renova a pressão golpista do general que tem importante influência dentro do Exército. Sua intenção é claríssima, pressionar ministros do STF a manterem o atual procedimento, favorável ao poder arbitrário e autoritário do judiciário e particularmente da Lava Jato de executar prisões depois do julgamento em segunda instância. Villas Boas quer que Lula continue preso arbitrariamente para que em meio ao continuado desgaste do governo Bolsonaro os caminhos para continuidade da agenda golpista estejam mais livres.

O golpe institucional, para o qual confluíram interesses imperialistas, da grande mídia, do judiciário, do “centrão” e das Forças Armadas tinha como objetivo aumentar e muito os ataques aos direitos trabalhistas que o PT já vinha executando, especialmente no segundo mandato de Dilma, e acelerar a submissão do país ao imperialismo.

A posição do renomado general é de reforçar essa orientação ameaçando o STF. Toda grande mídia especula como a ameaça de Villas Boas foi decisiva para a mudança de voto de Rosa Weber no ano passado. A aposta golpista do general é de reforçar a orientação.

Em cada momento decisivo do golpismo, particularmente quando a força da Lava Jato não parecia suficiente para continuidade desses interesses, as Forças Armadas atuaram como apoiadora/chantageadora para essa agenda. Foi assim na prisão arbitrária de Lula e nas eleições manipuladas que colocaram o ultra-reacionário Bolsonaro no Planalto. Não à toa Bolsonaro agradeceu publicamente Villas Boas dizendo que sem sua atuação ele nunca teria chegado a presidência.

O tweet de ontem acontece em meio a contínuo, mesmo que lento e gradual, debilitamento de Bolsonaro, e ocaso de sua tentativa de impor uma agenda mais autoritária de “presidencialismo de coerção” usando Moro como seu braço para impor o que chamamos de “bonapartismo imperial”. Nos últimos meses com enfraquecimento da Lava Jato, tem se fortalecido a força de setores institucionais, tais como a maioria do STF, Rodrigo Maia e Alcolumbre como “fatores de poder” a mediar e conter as intenções de Bolsonaro, mas ao mesmo tempo atuam para dar amplo e pleno andamento a agenda econômica do golpismo. Nessa situação de ocaso da Lava Jato, o STF e essas forças se debatem em como enfraquecer a Lava Jato sem fortalecer Lula na mesma proporção.

Repudiamos energicamente as ameaças do general golpista e sem prestar nenhum apoio político a Lula e ao PT exigimos o fim imediato de sua prisão arbitrária.

Fonte: Esquerda Diario

Comentários

Deixe uma resposta

Fechar Menu