Brasileiros denunciam prisão de Lula em Festival de cinema de Berlim

Dirante apresentação do filme Marighella (2019) para o público do Festival de Berlim, Wagner Moura levou uma placa em homenagem à vereadora Marielle Franco para o tapete vermelho da sessão de gala nesta sexta-feira (15).

O estreante diretor passou pelo tapete vermelho acompanhado do elenco do filme, que inclui Seu Jorge no papel principal, e do diretor do Festival, Dieter Kosslick.

Moura carregou consigo uma placa com o nome de Marielle, assassinada a tiros no Rio de Janeiro em março de 2018, junto ao motorista Anderson Gomes. Quase um ano depois, o caso segue sem solução, apesar das investigações apontarem o envolvimento de milícias.

O grupo de brasileiros entoou o coro de “Marielle Presente!”, e de “Lula Livre” antes do início da sessão.

O cineasta Helvécio Marins Jr, diretor do filme “Querência”, denunciou neste sábado (9) a prisão política do ex-presidente Lula (PT) no Festival Internacional de Cinema de Berlim.

Durante a exibição de estreia de seu filme, o diretor pediu “Lula livre” e afirmou que a prisão do ex-presidente é “uma das mais absurdas do mundo”.

“É uma vergonha para nós brasileiros. Lula é o maior e melhor presidente da história do Brasil”, afirmou.

O diretor lembrou à plateia presente que está em curso uma campanha pela indicação de Lula ao Prêmio Nobel da Paz.

“Peço para que todo mundo apoie”, disse.

O cineasta citou ainda, em seu discurso, a vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada no ano passado no Rio de Janeiro.

“Marielle presente!”, exclamou.

Filme MARIGHELLA estreia no Festival de Berlim com pedidos de LULA LIVRE.

 

Fonte: Blog Esmael/ Adoro cinema

Comentários

Deixe uma resposta