Bolsonaro critica imigrantes e defende muro de Trump

Presidente também disse que a França é mau exemplo de abertura de fronteiras

JAIR BOLSONARO EM ENTREVISTA AO CANAL ULTRACONSERVADOR FOX NEWS

Jair Bolsonaro voltou a criticar imigrantes e declarou apoio à construção do muro na fronteira dos Estados Unidos com o México em entrevista para o canal ultraconservador Fox News em Washington na segunda-feira 18.

Ao ser perguntado sobre a questão da imigração, causa de algumas das maiores controvérsias no governo Trump, Bolsonaro disse que acreditaria nos que são contra a construção do muro na fronteira com o México – uma das maiores batalhas políticas do presidente americano – se eles próprios removessem as portas de suas casas e deixassem que qualquer um entrasse. “A grande maioria dos imigrantes não tem boas intenções e não deseja fazer o bem para o povo americano”, afirmou.

Bolsonaro disse concordar com a construção do muro, reafirmou o desejo de que Washington mantenha sua política migratória e afirmou que, em grande parte, “devemos nossa democracia no hemisfério sul aos EUA”.

França, um mau exemplo

O presidente também criticou a política de imigração e acolhimento de refugiados do governo francês. “Quem é favorável ao socialismo deve olhar para a experiência da França, que abriu suas fronteiras a todo tipo de refugiado sem seleção ou filtro; é um mau exemplo”, declarou.

Não é a primeira vez que Bolsonaro reproduz a mesma retórica de Trump de críticas à política de imigração do governo francês. Em dezembro, o embaixador francês nos Estados Unidos, Gérard Araud, ironizou um comentário feito pelo presidente recentemente eleito, na época, depois de Bolsonaro afirmar que a vida na França havia se tornado “insuportável” por causa da imigração.

O embaixador respondeu a Bolsonaro comparando os altos índices de violência entre os dois países. Em um tuíte, Araud escreveu: “63.880 homicídios no Brasil em 2017, 825 na França. Sem comentários”, pontuou.

No sábado 16, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que acompanha o pai na visita aos EUA, disse que os brasileiros que vivem ilegalmente no exterior eram uma “vergonha” para o país. Foi criticado inclusive por aliados.

Caso Marielle x milícias x família Bolsonaro

Ao ser perguntado sobre o caso do assassinato da vereadora Marielle Franco e as possíveis ligações entre as milícias e sua família, Bolsonaro disse que a imprensa brasileira, que, segundo afirma, sempre o criticou, tentou em vão estabelecer elos entre ele e os supostos assassinos, os quais negou conhecer.

Bolsonaro desmentiu que seu filho mais novo tivesse mantido um relacionamento com a filha de um dos acusados, afirmando que o jovem teria “namorado quase todas as meninas do condomínio” e, mesmo assim, não se lembrava de ter se encontrado com a menina.

Ao rebater as insinuações sobre uma possível ligação sua com o caso Marielle, Bolsonaro disse que o homem que o esfaqueou durante a campanha eleitoral teria sido membro do PSOL até 2014, mas que a imprensa jamais afirmou que foi a esquerda quem tentou matá-lo, e que algumas pessoas até estariam frustradas por ele ter sobrevivido.

O ponto alto da visita de Bolsonaro a Washington será nesta terça-feira, quando será recebido por Trump na Casa Branca.

Fonte: com informações da DW e RFI/ Carta Capital

Comentários

Deixe uma resposta