Ato contra o aumento do busão – #4e50nao

Centro de BH terá manifestação contra passagem a R$ 4,50 nesta quinta: ‘É um crime’

Foto: Divulgação Facebook

O Movimento Tarifa Zero realizará na tarde desta quinta-feira (10) manifestação contra o reajuste de 11% nas tarifas de ônibus do transporte coletivo de Belo Horizonte. Desde o começo do mês a passagem que antes custava R$ 4,05 passou para R$ 4,50. O ato está previsto para iniciar às 18h e a concentração será na praça Sete, na região Centro-Sul.

Nas redes sociais, a mobilização acontece e na descrição do evento é apontado que o aumento das passagens “é um crime contra a população, especialmente os mais pobres e os que moram mais longe”.

Os organizadores do ato também criticam o prefeito Alexandre Kalil (PHS) e as empresas dos coletivos. “Estão fazendo barganha com a lei os direitos da população, já que os ‘benefícios’ anunciados não passam de condições mínimas asseguradas pela lei. Ter trocador em todos ônibus não é favor, é a lei 10.526! Renovar a frota não é favor, é cumprir o contrato”, dizem.

Reajuste polêmico

O aumento no valor da tarifa tem rendido polêmicas desde quando foi anunciado, no final de dezembro. Um inquérito foi instaurado pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) a pedido do movimento Tarifa Zero e Nossa BH para investigar o reajuste determinado pela prefeitura.

Na sequência, uma liminar concedida pela juíza Dênia Taborda determinou que a passagem voltasse a custar R$ 4,05 na capital. No entanto, o desembargador Carlos Levenhagen derrubou, em efeito suspensivo, essa liminar e a tarifa voltou a ser praticada com o reajuste.

A tarifa foi reajustada em 11% e agora temos que pagar absurdos R$4,50 para nos deslocarmos na cidade! Esse aumento é um crime contra a população, especialmente os mais pobres e os que moram mais longe.
Todo aumento de tarifa piora o isolamento na cidade, impede as pessoas de acessarem seus direitos, além de aumentar o número de carros, motos, engarrafamentos e acidentes.

Veja os valores das passagens com os reajustes:

  • De R$ 4,05 para R$ 4,50;
  • De R$ 0,90 para R$ 1 (vilas e favelas);
  • A passagem das linhas alimentadoras de R$ 2,85 passará a custar R$ 3;
  • Táxi lotação que custa R$ 4,45 vai a R$ 5

Além disso, as empresas de ônibus e o Kalil estão fazendo barganha com a lei e os direitos da população, já que os “benefícios” anunciados não passam de condições mínimas asseguradas pela lei.
Ter trocador em todos ônibus não é favor, é a lei 10.526!
Renovar a frota não é favor, é cumprir o contrato!

Por tudo isso, os movimentos sociais da cidade chamam para mais um ato contra o aumento da passagem. Ele é parte de uma série de ações para que a prefeitura volte atrás e governe de verdade para quem precisa.

O ato será no próximo dia 10 de janeiro, na Praça Sete, com concentração a partir das 18h!

Venha, leve amigos, sua bandeira ou faixa, seu instrumento, sua indignação e cole com a gente pra derrubar o aumento!

Fonte: com informações Portal BHAZ/ Tarifa Zero

Comentários

Deixe uma resposta