Trabalho de base: lutar, criar o poder popular!

Em tempos de fascismo, de recrudescimento da extrema direita, o trabalho de base, o diálogo e a união devem ser discutidos como forma de oposição e luta

‘Trabalho de base’ são ações desenvolvidas com objetivo de construir um movimento social através da organização das classes populares.

Muito se tem falado que a esquerda, protagonizada pelo Partido dos Trabalhadores (PT) perdeu sua característica de luta e mobilização, quando deixou o trabalho de base. A militância acabou por se dividir ou se prender em diversos conceitos, paixões e egoísmos, se esquecendo do principal. Quando se fala em militância, são nada mais que pessoas que, com base em uma ideologia ou posição política (de esquerda), buscam lutar pela vitória de causas sociais. Deixou-se o social de lado, e preocupou-se com causas.

Historicamente, organizações populares como agremiações estudantis, sindicatos, organizações de trabalhadores nas industrias e no campo e movimentos sociais foram na maioria dos casos, expressões de uma sociedade de classes, dividida entre dominadores e dominados, que se evidenciam em um processo de luta de classes, que somados propuseram mudanças significativas na sociedade. Assim foi na Revolução Zapatista, Revolução Russa ou a Revolta Cartismo, tipicamente de operários.

Se queremos dar forças aos trabalhadores contra os patrões, precisa-se fortalecer os sindicatos. Se queremos vencer a tirania do latifúndio e do agronegócio, isso se dá pela construção de movimentos do campo, seja de pequenos agricultores, de sem terras, de indígenas, de quilombolas ou mesmo assalariados rurais. Podemos aplicar a mesma lógica nas construções de movimentos estudantis, secundaristas ou universitários, bem como de orientação comunitária e urbana (por moradia, transporte, dentre outros). É com organização dos de baixo que se constrói resistência e se prepara o caminho para um mundo novo, o qual deve ser o princípio orientador do trabalho de base.

Não há avanço se agirmos isolados ou sozinhos, esperando que uma pequena ação por si só modifique a realidade o qual estamos acostumados, mas é por ações em coletivos, em grupos organizados ainda que locais, que se impetra mudanças maiores se estivermos dispostos a se somar com causas e outros grupos (think local and act global).

Pequenas ações individuais mudam o mundo quando se transformam em ações coletivas, através da participação em organizações maiores. Um trabalhador sozinho não derrota seu patrão, mas um sindicato sim.

Para que uma organização popular seja forte o bastante, ela não pode ser exclusivista (desde que não seja fascista ou bolsominion) deve ser aceita. Tolerância e capacidade de diálogo é fundamental para que o trabalho de base seja forte.

Construindo o trabalho de base

Este foi o tema central do debate ontem (1) do Coletivo Mineiro Popular Anarquista (Compa). O Compa é uma organização anarquista especificista, que defende o modelo de sociedade libertária inconfundivelmente socialista, em uma estratégia de ruptura revolucionária e em um estilo militante combativo, e que constrói trabalho de base junto à ocupações por moradia da Região Metropolitana de BH, em bairros periféricos, com trabalhos de cultura e educação popular, teatro e cursinho pré-ENEM, junto à juventude na luta estudantil e no sindical na categoria de trabalhadores da educação do estado de Minas Gerais.

Debate do Compa sobre o trabalho de base      Foto: Léo Viera

Nacionalmente integra a Coordenação Anarquista Brasileira, a CAB, um espaço político-organizativo que reúne organizações anarquistas que seguem a mesma linha do especifismo em diversos estados espalhados em todas as regiões do Brasil. Estão em sindicatos, universidades, escolas, movimentos estudantis e de juventude, nas lutas agrárias (agroecologia familiar, pequenos agricultores, luta pela terra, luta dos povos originários), nas lutas das mulheres, do povo negro e LGBT. De norte a sul, a CAB caminha rumo à construção de uma organização anarquista nacional, com um programa revolucionário que cumpra as tarefas que a estrutura sócio-econômico-política do Brasil exige para realizar a Revolução Social aglutinando todos os setores oprimidos da sociedade. Venha, participe e some a esta luta! Lutar! Criar! Poder Popular!

Maiores informações:

Compahttps://www.facebook.com/compacab/
CABhttps://www.anarquismo.noblogs.net

Entidades que o COMPA está inserido:

Juventude Rosa Negra https://www.facebook.com/RosaNegraBH/
MOBhttps://www.facebook.com/MOBMinasGerais/
Resistência Popular Sindicalhttps://www.facebook.com/resistenciapopularmg/

 

 

Comentários

Deixe uma resposta

Fechar Menu