Todos pela amazônia

Manifestantes vão às ruas em defesa da Amazônia e  contra Bolsonaro, que é criticado em protestos em defesa da Amazônia pelo país e pelo mundo.

Foto: Coletivo Alvorada

Organizações não governamentais (ONGs) realizam em várias cidades brasileiras, atos em defesa da Amazônia. Segundo o Greenpeace, uma das organizações que promovem os protestos, também estão previstas mobilizações para o fim de semana.

Brasília

Na capital federal, o protesto reuniu ativistas, estudantes e ambientalistas. O ato começou em frente ao Ministério do Meio Ambiente, onde houve projeção de frases com pedido de socorro à floresta e imagens de incêndios e queimadas.

Durante a manifestação, a principal via da Esplanada dos Ministérios teve cinco de suas seis faixas bloqueadas. Para diminuir o impacto no trânsito da capital federal, servidores públicos foram dispensados do trabalho por volta das 16h.

São Paulo

O protesto contra as queimadas na Floresta Amazônica começou por volta das 18h no vão-livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista. Por volta das 19h, as oito faixas de rolamento da avenida estavam tomadas pelos manifestantes.

Parte das pessoas presentes usava máscaras cirúrgicas em referência à poluição causada pelas queimadas. Nos cartazes que carregavam, havia o pedido de socorro pela floresta: “SOS Amazônia”, “Salvem o Futuro”, e “Pray for Amazônia” [Ore pela Amazônia], eram alguns dos dizeres nas faixas.

Reprodução da internet

Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro, a mobilização teve início às 17h na Praça da Cinelância, no centro da cidade. Alguns manifestantes pintaram os rostos lembrando os povos indígenas da floresta amazônica. Cartazes cobravam mais fiscalização ambiental. Havia ainda imagens em homenagem ao seringueiro e ambientalista acriano Chico Mendes, assassinado em 1988.

Houve ainda um minuto de silêncio e espaço para grupos indígenas entoarem músicas acompanhadas de instrumentos de sopro. Por volta de 18h45, os manifestantes saíram em marcha até as proximidades do edifício do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), de onde retornaram à Cinelândia para o encerramento do ato.

Reprodução da internet

Belo Horizonte

Coletivos independentes organizados promoveram atos de denúncias às políticas predatórias e ideologia exploratória defendidas por Bolsonaro na floresta amazônica. Desde o início das queimadas, o governo permanceu defendendo que a sazocionalidade do clima é o maior difusor das queimadas, e nada fez para barrar que a floresta continuasse em chamas. Os atos na capital mineira, foram organizados por coletivos independentes e foram chamados pelo Coletivo Alvorada e teve participação de milhares que se mobilizaram em defesa da floresta amazônica, patrimônio mundial e maior herança do Brasil para as gerações vindouras.

Foto: Coletivo Alvorada

Combate a incêndios

No fim da tarde de hoje, o presidente Jair Bolsonaro assinou decreto que autoriza o emprego das Forças Armadas para ajudar no combate aos incêndios na Floresta Amazônica. O decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) vale para áreas de fronteira, terras indígenas, em unidades federais de conservação ambiental e outras áreas da Amazônia Legal.

Fonte: com informações do Coletivo Alvorada/ Agencia Brasil

 

Comentários

Deixe uma resposta

Fechar Menu