A mídia golpista, Dilma Roussef e o Surgimento do PlanetaMG

A Grande mídia não se conforma em ter seus veles sobrepujados ou postos em segunda opção. É um fato. Tal universo gira em redor de 3 esferas simples de se entender: o interesse, a propaganda e os recursos. Para entendermos a crise que a nossa mídia vive, é preciso dessecar este cadáver e ver quão podre se encontra este corpo de comunicação.

Começaremos pelo final. Recursos, em particular os recursos financeiros são a roda motriz que gira esta corja. Sem dinheiro, não há o que se fazer (não ao menos pra eles que cuja ganância é o maior dos seus auspícios), não há o que se lucrar e sem lucro a roda do capitalismo fica estagnada. Os recursos são o meio e o fim da mídia corporativa, ou por que não dizer, são os objetivos que norteiam suas matérias, suas reportagens, seus “JA”, “Jornais nacionais”, “Jornais cidade”, suas revistas e publicações. O compromisso é o dinheiro, o auferir do lucro, o puro e mero metalismo e não o compromisso com a verdade, com a imparcialidade, em mostrar a realidade, sem pitadas de surrealidade ou de irrealidade.

A propaganda é seu meio técnico de divulgar e explorar os ouvintes. Sua utilização em larga escala permite o ganho da confiança, carinho, estima e respeito ou a completa aversão ao lado que este meio julgar crucificar. É a propaganda que adota ou separa, aproxima ou afasta um dado público de algo. Adolf Hitler e Benito Mussolini, em seus sistemas ultranacionalistas do nazismo e fascismo, souberam utilizar em seu favor a exploração do marketing e propaganda para alcançar e explorar os ouvintes, fazendo-os acreditar e comprar seus ideais. Interessante, como a propaganda, que não é atoa dita como sendo “a alma do negócio”, tem a capacidade de persuasão, a mágica de transformar mentiras em verdade ou verdade em mentiras. Retire a propaganda e seus meios maquiavélicos de influenciar os ouvintes, leitores e assinantes, termina.

Por fim o pior deles: o interesse. O interesse é o que movimenta, o que articula, o que sobrepuja as ações desta mídia em direção ao que mais lhes apeteça. O interesse gera a segregação, a lapidação em mostrar isso ou aquilo, ou nem isso nem aquilo, mas outra coisa diametralmente oposta e que cujo único interesse mais lhe satisfaça. É o pensamento diabólico de isolar a verdade em facetas, de alienar quem dela somente depende para ser informado. Seus famigerados “princípios, visão e missão” a ninguém agradam, se não a eles próprios. Ao acessar a missão do Grupo Globo, se vê que a missão é “Criar, produzir e distribuir conteúdos de qualidade que informem, divirtam, contribuam para a educação e permitam aos indivíduos e comunidades construir relações que tornem a vida melhor”. Neste percebemos que em momento algum a imparcialidade, a neutralidade, a abstração do livre pensamento é mantida. Isto é o pior dos interesses: produzir e distribuir conteúdos de qualidade que informem, divirtam, contribuam para a educação. A pedida é o MEU interesse em detrimento da VERDADE.

Ao vermos isto, não é difícil relembrar como este poderoso mecanismo agiu contra a ex presidenta Dilma Roussef, em 2016, contra o presidente Lula, em 2017 e por fim até levar o maior líder popular desde Getúlio Vargas à prisão, como o ato final do golpe. O lado adotado é escancarado e estas 3 esferas, se não equilibradas destroem pessoas, acabam com projetos e ferem opiniões que a duras penas foram construídas.

Mauro Lopes, em seu artigo “As quatro famílias que decidiram derrubar um governo democrático”, escrito para o livro Por que gritamos golpe?, Editora Boitempo, São Paulo, 2016, discute que as 4 famílias que substituíram o Basta! (1964) por Fora! (2016) foram os Marinho (Organizações Globo), os Civita (Grupo Abril/Veja), os Frias (Grupo Folha) e os Mesquita (Grupo Estado), e que não o bastante foram apoiadas pelas mídias de segunda linha, os Alzugaray (Editra Três/Istoé), os Saad (Rede Bandeirantes) e os Sirotsky (Grupo RBS), que tiveram a esfera mais pujante do capitalismo alvejada: os recursos. Diante disto, seus interesses, de não ter mais o Partidos dos Trabalhadores (PT) à frente do poder foi inflado pelo meio diabólico que possuem: a propaganda.

Esta seletividade e propaganda contrária aos objetivos foi vista numa transmissão do Jornal Nacional, de 5 de março de 2016, em que foram destinados 45 minutos, isto mesmo, quarenta e cinco minutos de um tempo máximo de 1 hora de telejornal, para destruir a reputação do ex presidente Lula. O Fantástico de 8 de abril de 2018, mostrou menos de 10 minutos para mostrar a prisão do ex presidente, e menos de 30 segundos para mostrar que sua trajetória fala mais alto que a ilegalidade da prisão. Este é o jornalismo (im)parcial e (in)verdadeiro que se vende pelo Brasil hoje.

Estranho é ver que a mídia internacional criticou duramente a seletividade da mídia brasileira e sua ambição e ganancia de um cão raivoso em morder os líderes do país. Jornais como o The Guardian, The New York Times, El Pais, CNN, DW e até o sarcástico Charlie Hebdo criticaram em peso o massacre contra o PT, contra Dilma e contra Lula. Pois a verdade é vista por olhos que a queiram enxergar.

Nosso projeto surgiu no meio da rua, no meio do povo, quando em 2013 durante os Atos do então intitulado movimento “Passe Livre”, presenciamos a manipulação, distorção e criminalização da grande mídia diante dos jovens, mulheres, homens, trabalhadores que em luta queriam justiça, igualdade e um país melhor e não a criminalização dos grupos contestadores. Naquela noite, em meio à gritos e bandeiras surgia o ‘planeta minas notícias’. Somos um Canal de Mídia Livre e Independente que não está sob o controle de grandes grupos de comunicação, e que embora possa ter a participação dos anunciantes, não tem compromisso com estes. Não tem vínculo, serventia ou qualquer ligação com grupos políticos ou instituições governamentais, mas vai na contramão da mídia corporativa, da grande mídia, que distorce os fatos e apresenta uma visão monocromática e unilateral de acordo com quem lhe paga mais ou mais lhe fornece favores fiscais. Somos e seremos avessos a isto! Somos um canal destinado a dar destaque aos principais fatos e acontecimentos do cotidiano de Minas Gerais e de nossa cidade de Belo Horizonte.

Neste dia, 11 de abril de 2018, nós do PlanetaMG® damos mais um passo, um importante passo rumo ao incerto embate contra a grande mídia corporativa. Somamos forças a tantas outras mídias independentes que hoje no Brasil lutam para mostrar o jornalismo das ruas, como faz a Mídia Ninja e os Jornalistas Livres, ou o jornalismo crítico, como o Diário de Esquerda e o Brasil de Fato. Pautados nisto, que mergulhamos nesta luta, pois sabedores que se os fortes ficarem quietos os fracos dominarão, mas nossas vozes serão unidas à outras milhares que conclamam por um pais democrático, justo e igualitário e por uma mídia independente de interesses corporativos.

Contem conosco!

#PlanetaMinasGeraisNoticias

“Porque isso que estamos fazendo hoje aqui e agora, não pode se perder. A informação tem que chegar às pessoas, ela não pode parar!”

Belo Horizonte, MG, 11 de abril de 2018.

Comentários
Fechar Menu