7 motivos para participar da greve geral em defesa da educação

Dias 02 e 03 de outubro a educação volta a se mobilizar em todo o país contra os cortes e retrocessos

Foto: Reprodução da internet

Convocada pelas entidades estudantis, a paralisação dos dias 02 e 03 de outubro terão atos nas ruas, nas universidades, assembleias estudantis, aulas na rua e panfletagens. Saiba os motivos da luta:

1) Contra os cortes na educação;

Hoje o valor contingenciado nas universidades e institutos federais já soma R$6,1 bilhões. Muitas instituições já param algumas se suas atividades devido à falta de investimento como a UFRJ e UFSC.

2) Em defesa da Ciência e Tecnologia;

Em menos de seis meses, o governo promoveu cortes de mais de 11.800 bolsas de estudos da pós-graduação, 300 milhões do orçamento da CAPES, 30% dos recursos para custeio das universidades federais que estão inviabilizando a pesquisa no país.

3) Pelo cumprimento do pagamento das bolsas do CNPq;

São necessários R$ 330 milhões para o cumprimento do orçamento 2019 do CNPq -aprovado por lei –  para a garantia do pagamento das bolsas de pesquisa em vigor;

4) Por autonomia universitária, contra as intervenções;

Já são mais de 6 universidades que tiveram suas listas tríplices ignoradas pelo governo que nomeou apenas simpatizantes do seu governo ou mantém interventores pro-tempore à frente das instituições. Intervenção no processo de escolha de reitor é golpe na democracia e fere o direito de escolha da comunidade acadêmica.

5) Contra o Future-se e a privatização;

A proposta de captação própria no financiamento das universidades idealizada pelo governo é uma entrega das instituições à uma dependência do setor privado e uma desresponsabilização do financiamento público à educação. Não é atoa que mais de 25 universidades já anunciaram que não vão aderir ao programa.]

6) Contra a retaliação às entidades estudantis;

Querem calar os estudantes! A Medida Provisória 895, que pretende instituir novo modelo de identificação estudantil a ser emitida pelo MEC, retirando tal função das entidades representativas e colocando o ministério como tutor das organizações estudantis é uma tentativa de enfraquecer e perseguir as entidades.

7) Por liberdade de expressão;

Seguindo a agenda antidemocrática e ditatorial, o MEC está preparando uma cartilha contra manifestações político-partidárias nas universidades.

Fonte: UNE

Comentários

Deixe uma resposta

Fechar Menu